Pular para o conteúdo principal
  Nestes dias assim, de Outono...em que tudo me vem a cabeça....
Lembro-me de outro Outono, noutro Continente, em plena mato Africano.
Lembro-me da Fazenda Lola do tempo em que ainda pensava ser feliz, vivia no meio daquela natureza agreste, onde apesar de ser mais fresco era tão húmido que parecia que tudo esta molhado...
 Era o preparar o então mata-bicho( pequena refeição que os homens comiam antes de irem para o campo, delinear trabalho) composta quase sempre por leite café fruta e pão com alguma coisa modo geral  manteiga ou compota caseira, feita ali mesmo em casa.
 O pão era caseiro feito por nós na roça. Ao falar nisso aprece que lhe sinto o cheiro, eram pães pequeninos tipo scones, mas que faziam as delicias da família.
Todos os dias me levantava as 5 da manhã para os ter prontos próximo das 6 e meia hora da partida para o campo.
 Tirar os animais dos currais. Era um prazer. Aqui tudo fazia com prazer.Ainda era, ou pensava ser..Feliz...
.Era uma fazenda de gado , banana, e coconote. Ali bem nas margens do Quanza.
No tempo das chuvas as  margens alagavam saiamos de casa de canoa, a chimbicar ( o chimbico era uma vara , grande com que se guiava o barco)  ali não havia nada senão o que a fazenda produzia. 
Havia hortas mas que desapareciam com as terras alagados.
Carne vinha das Zanzalas mais, distantes, a carne de pacaça, javali ou veado, era caçada pelos homens e havia carne para todos, estou a recordar a gumga, carne muito saborosa e tenra,
 Não havia radio, televisão Internet nem se sonhava com isso, mas todos eram felizes.
A noite as pessoas faziam o que já esqueceram agora, conviviam, reunião-se nas casas do colega de trabalho, faziam-se serões de amena conversa, era um por todos e todos por um.
Nada tinha mos, e nada nos faltava.
Havia a força da juventude eu era uma miúda de 23 anos, o mundo era meu, tudo era motivo de festa, até os momentos menos bons davam para rir. 
Esquentador nem nos sonhos, havia um deposito  sobre a casa, agua era aquecida ao sol no calor da terra, muitas vezes era difícil pois no tempo quente queimava .
Havia os sengues( sabes o que são sengues? parece crocodilo mas muito menor. São o maior inimigos  pois ferrão as garras por debaixo dos crocodilos e sugam-nos todos até os matarem) os grandes inimigos dos crocodilos que coabitavam connosco, no mesmo espaço, havia como que um código secreto táctico, nós não os incomodávamos e eles também não. Muitas vezes para sair de casa tínhamos de esperar que saíssem das escadas . 
Engraçado como agora ao lembrar começo a pensar como pude nunca ter medo, nem sequer pensava que o perigo estava ali mesmo ao sair da porta.




 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O tempo

O Tempo vai passando....
leva e traz pedacinhos, momentos vividos em algum lugar.
coisas que ficaram gravadas na mente , no coração de quem viveu...vive e sente....
Assim de repente, o mundo se agita, tudo toma cor.
Só porque encontramos pedaços, escritos, tlvez vividos, por alguém a quem nunca deixamos de amar.
A vida é assim.
Algures noutra galaxia, tal a imensidão da distancia que vamos ficando uns dos outros...um do outro.
Agora , ao entrar no teu tempo, recordo o meu tempo....o nosso tempo.
Tão curto e tão belo...para quem o sentiu, será sempre enexquecivel.
Pois quando se ama é para toda a vida.LR

era uma vez

Há imensas historias que começam era uma vez. Reais que retratam factos verídicos, outras nem tanto.
Esta historia poderia ser uma mistura de realidade e ficção, porque nem sempre é fácil reconhecer que erramos, vamos levando a vida a pensar mais nos outros que em nós. Não por ser boa ou má, só por covardia, por medo de magoar quem um dia demos vida, deveria ter a coragem de esquecer a outra parte de mim.
Uma vez parece que se ainda se consegue, é tão doce o abraço de um filho, sem duvida que é, só que embora importante não nos completa por inteiro.
Nos momentos de maior solidão, falta a mão que segura a tua, sem palavras, só um doce apertar que te diz estou aqui, não estás só, isso não tem dinheiro que pague, só que o abraço de um filho também não, ai vem a duvida terei direito a ir viver minha vida, e magoar os outros?
Fica aqui num cantinho da tua cabeça, e parece matraca insistente na pergunta, sem dares conta continuas dia após dia na mesma duvida, os dias deram lu…

teu olhar

Aqui me encontro, me perco, sem saber ao certo
o rumo a seguir.
A vida é assim ....há que ter esperança
no dia que vai nascer, em ti também....
ainda não sei o rumo a seguir....
só sei que por mais que  tente tirar-te de mim...
estas colado não sei que fazer quero esquecer
que um dia  vivi um sonho um sonho , só meu...
quero acabar com este querer, este sentir...
recordo o teu rosto, teu olhar gaito
de menino grande....
hoje o tempo passou, só este amor
o tempo não leva.LR.