Pular para o conteúdo principal

vidas (2)

Seguimento:
 Foi uma alegria, uma emoção, em especial por ver que aquele menino até tão pouco tempo tinha amadurecido assim de repente, sem dar por isso, ela ficou feliz, e triste não era o que haviam ambos sonhado para os filhos de ambos,  avida tem destas coisas. Feliz por perceber que ele aquele menino tão amado já era  umapessoa responsavel.o
Afinal não tinha sido em vão toda amensagem que sempre tinha tentado passar aos filhos, a família é a maior força, que nos une.
Os problemas começaram a surgir , de todos os lados mais parecia fogo cruzado.
Finalmente consegui trabalho.
Os dois filhos mais velhos 17 e 14 anos acharam por bem  que tinham de deixar de estudar para ajudar nas despesas da casa, ela bem tentou que tal não acontecesse sem sucesso, eles chumbaram o ano, garantido que chumbariam todos pois queriam ir trabalhar.
A casa onde moravam , ainda não estava paga totalmente, faltava 8 anos, com a partida do marido, o desemprego, as emoções todas alteradas, as prestações foram ficando atrasadas, um Banco não se interessa  por nada, ela bem levou comprovativos, mas nada, era o dinheiro em atraso ou tinha de deixar a casa, cartas a presionar todos os dias, ameças constantes de ser despejada, enfim, ela andava numa tombula gigante sem saber o que fazerou pensar.
Os filhos é que não podiam ficar na rua... um dia encheu-se de coragem , foi arrendar um apartamento pequeno, onde a renda era bem mais acessivel, mudou o que pode dos seus haveres, e deu por ela numa casa, que nada lhe dizia, pois todas as recordações estavam outra na que ela chamava sua casa.
Mais uma vez não foi facil.
Havia de tentar, recomeçar . Foi ao banco . Entregou a chave da sua casa. Foi um mundo de emoções avassaladoras, Havia que seguir em frente. Foi a igreja, ajoelhou, pediu força para ela e para dar aos  filhos.
Enquanto se resolvia o problema da habitação. ela tinha arranjado trabalho.
Um trabalho em que antes cada vez que entrava num restaurante era como cliente,agora entrava todos os dias para ser o que nunca tinha sido, cozinheira,. Até aí , cozinhava para o marido filhos, enfim amigos e família, assim nunca, é um mundo tão diferente, tão desconhecido, tinha de aprender, não tinha como não o fazer, disso dependia  a vida..
Ela  lutou enfrentou sorrisos, comentarios, tudo por uma causa... familia.
Aprendeu, singrou.
Entrtanto: Os filhos foram crescendo, os mais velhos deixaram de estudar, enverdadarm por ir trabalhar na rádio tal como o pai.
O caçula la seguio o seu caminho, nunca soube muito bem o que era ter a mãe por perto, pois passava muitas horas a trabalhar, aprendeu a se virar sozinho, cuidar de aquecer a comida,alimentar-se lavar e arrumar a cozinha ( coisa detestava fazer).
Continua.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bom dia Amigos!!!!!!

Pois é hoje estou de volta. Estou melhor, meu filho e minha nora foram os meus enfermeiros de serviço,  a eles devo esta recuperação tão acentuada e gostoso.  Obrigada filhotes eu vos amo, e agradeço todo o cuidado que me dispensaram. Mas também minha alma esta mais leve, mais feliz sinto-me com uma fenix, se deve ter sentido ao renascer das cinzas, em conjunto com alguém que me é muito querido e especial, ( nada de pensamentos  atrevidos ) andamos a arrumar as nossas gavetas interiores, a nossa cabeça, e foi óptimo. Deu-me alento e força para mudar umas quantas coisinhas mal resolvidas na minha cabeça. Apesar de ter faltado a escola, fartei-me de estudar, e de recolher informação. Terça-feira já lá vou se Deus quiser. Vou dar a volta, andar um bocadinho só me faz bem, vou fazer uma volta mais pequena que a tua, mas vou andar cerca de 1hora depois venho tomar uma grande banhoca e seguir o resto do dia, se não viesse aqui falar um pouco com os meus amigos /as não ficava bem , ama-vos a todos…

era uma vez

Há imensas historias que começam era uma vez. Reais que retratam factos verídicos, outras nem tanto.
Esta historia poderia ser uma mistura de realidade e ficção, porque nem sempre é fácil reconhecer que erramos, vamos levando a vida a pensar mais nos outros que em nós. Não por ser boa ou má, só por covardia, por medo de magoar quem um dia demos vida, deveria ter a coragem de esquecer a outra parte de mim.
Uma vez parece que se ainda se consegue, é tão doce o abraço de um filho, sem duvida que é, só que embora importante não nos completa por inteiro.
Nos momentos de maior solidão, falta a mão que segura a tua, sem palavras, só um doce apertar que te diz estou aqui, não estás só, isso não tem dinheiro que pague, só que o abraço de um filho também não, ai vem a duvida terei direito a ir viver minha vida, e magoar os outros?
Fica aqui num cantinho da tua cabeça, e parece matraca insistente na pergunta, sem dares conta continuas dia após dia na mesma duvida, os dias deram lu…

uma verdade grande