Seguidores

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

uma mulher

Sabem ando com a manias das historias, hoje vou contar-vos uma, que tanto podia ser minha como tua,mas....não é. È a historia de uma pessoa, talvez com a nossa idade, talvez não... porque a idade , que conta não é a que o bilhete de identidade mostra, mas a que esta no coração e na cabeça, essa sim é a idade de todos nós... conheço gente jovem que é bem velhinha , e pessoas que poderia dizer que são menos jovens , bem mais jovens que os outros... Na historia que vos vou contar, é a de alguém que nunca foi amada com verdade, amada como todas as mulheres sonhamos, com carinho, cumplicidade, enfim todo o mundo sabe do que falo. Pois a nossa mulher, teve um sonho que a acompanhou nos últimos anos da vida, amar e ser amada...quase jurou que tinha sido por alguém que ela confiou, mas por covardia ou medo, ele não era o que ela sonhava. O tempo foi passando as feridas cicatrizando, ficou uma marca no seu ser, mas andou para a frente... quando amachucamos um papel por mais que se passe o ferro nunca fica igual ao que era, pois assim ficou a alma dessa mulher...cheia de feridas... Mais tarde conheceu alguém, que lhe toca o coração, que ela nem sabe ao certo o que sente, mas sente que não quer mais nada, só porque, ele é de um meio bem diferente do seu, habituado a ver mulheres lindas, todas produzidas...ela não é assim. Gosta de tudo muito simples, tudo muito natural. Ele não seria feliz se ficasse com ela, não conhece nem sabe o que ele sabe... numa unica coisa se sente igual ser humano, nada mais. Mas ela luta para que ele seja feliz nos braços de alguém que talvez não conheça o amor, que talvez nunca lhe saiba dar o valor que ele tem...Mas a nossa mulher fica parada quando lhe apetece correr...calada quando lhe apetece gritar o que sente...ela é feia , não tem a beleza que os centros de beleza cultivam no corpo das outras, não não tem nem pode ter, a vida não deixa, o dinheiro não chega... Ela vai ficar no seu lugar...coração partido por um lado, mas com a consciência tranquila do dever cumprido.

Nenhum comentário: