Pular para o conteúdo principal
Quando criei este espaço, outra coisa não queria  senão ter um cantinho onde pudesse ser eu.
Onde pudesse falar de tudo que me magoa, sem ir perturbar nada nem ninguém. Aos poucos sem quase dar por isso , foi mudando, a vida foi-me mudando.
Hoje e porque não quero magoar , nem aborrecer ninguém, resolvi voltar a usar este espaço, para o que o criei.
Os invisíveis, veio  trazer  a memória, assuntos, que não gosto de abordar pelo que me magoam.

Mas não é por ficar calada que as coisas se resolvem. Mas dói ver os nossos idosos , serem marginalizados, por vezes até mal tratados apenas porque os anos passaram, e já não são o que foram anos atrás, suas mãos perdem a agilidade e a beleza da juventude, muitas dela estão deformadas pelo trabalho árduo. Seu rosto mostra o mapa do tempo, e das historias que foram as das suas vidas. Trabalharam foram pais e mães que criaram que deram amor, e que agora se vêm sozinhos, se tornam invisíveis.

Que pena que os nossos jovens se esqueçam, que se não morrem jovens , é para lá que se vão dirigindo, sem darem conta.
Ninguém se convença que fica sempre lindo, elegante, de mãos lindas de pele jovem, e menos que apenas passem na vida em branca nuvem. Eu também tenho as mãos feias, também tenho rugas no meu rosto, também estou longe de ser elegante. Mas meus amigos vivi, não a vida sonhada mas a possível.
Também eu tenho coração no peito, e também tenho muito amor para dar.Mas cometi um crime. Deixei passar os anos, e hoje, também já me conto entre os avós.

Comentários

Perola disse…
Boa tarde minha flor.
Muito obrigado pelo carinho da sua visita.
Amei seu texto,um fato lamentável sim,eu tenho por mim que os idosos tem uma bagagem gigantesca de expêriencia que enriquece o meu aprendizado.
Detesto ver que muitas pessoas ñ se dão conta disso,espero que cheguem a tempo amada,assim sendo vão se dar conta dos erros que cometem ao relacionar um idoso como alguém que ocupa apenas um espaço e nada mais.
Parabénsssssssssssssss.
Adorei seu blog,seja bem vinda.
Beijos millllllllll
♪ Sil disse…
Minha flor,

Faço das suas, as minhas palavras.
Moro com meus pais, cuido do meu pai que é doentinho, e cuido dele com tanto amor.
Tenho um amor gigantesco pelos meus pais, como tinha por meus avós.
Eu amooooo os idosos, suas histórias, seus exemplos de vida, tudo que eles tem a nos ensinar.
Realmente uma pena, o mundo de hoje não dar o valor que eles merecem.
Amanhãs, nós seremos eles.

Um beijooo
Céu Arder disse…
Querida Malu

Quanto lamento nas suas palavras,
e muito verdadeiras...
Também me encaminho para a "ala das avós", não sei bem quando, mas espero ansiosamente por isso...

Só agora, vi teu comentário no meu blog "Poemas & Cantos".
Não tenho escrito lá há meses. até me tinha esquecido dele!

Mas o teu comentário animou-me a remexê-lo.

Beijos!


Céu
RosanAzul disse…
Parabéns Malu, por esta excelente postagem. Infelizmente os idosos em grande parte do mundo são vistos assim: Um problema, um incômodo...
Muitos ainda se esquecem que se estão aqui foi por causa deles e ainda mais, que um dia tbem ficarão idosos...
Um grande abraço de paz e luz amiga!
RO
✿ chica disse…
Eu já estou com 62 tenho 4 filhos e 6 netos e ainda tenho minha m~çae de 85. Ela está muiiiiiiito triste a situação... Não quero chegar na sua idade!!1Se for pra ficar assim!!!beijos,chica
Perola disse…
Obrigado minha linda pela visita.
Um exelente fds minha flor.
Beijossss.

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe , filha

Mãe!!!
O teu dia vem ai
embora todos os dias,
seja o dia, dos teus dias...
para acariciar, sorrir , amar...
teus bebes....
Neles te revês e cuidas,
desde o acordar ao dormir,
neles , entregas teu dia...
sorriso bonito, emoldura teu rosto
quando se olham nos olhos,
quando teu marido abraça,
beija e brinca com os pedacinhos dos dois
ali, bem a tua frente...
esta um pedacinho de gente.
que dá luz , dá alegria, da força
para vencer  o dia a dia...
Mãe!
Palavra mágica,
que faz vencer, nos dá coragem
são só três letras
juntas com outra que igual tem
apenas 3 , Pai,
Dupla perfeita que faz regaço
num longo abraço
e já são 4 amores eternos
são pais e filhos
no coração, Mãe,
mulher guerreira, tem dentro dela
força e coragem
para dar alento, aos 3 amores....
são sua vida,
 Mãe
também tu és a vida deles
no amor ternura, forte e profundo
do Dady , nos bebes,
mãe também és filha
que duas mães, amam e querem
Mãe obrigado por seres quem ês LR

era uma vez

Há imensas historias que começam era uma vez. Reais que retratam factos verídicos, outras nem tanto.
Esta historia poderia ser uma mistura de realidade e ficção, porque nem sempre é fácil reconhecer que erramos, vamos levando a vida a pensar mais nos outros que em nós. Não por ser boa ou má, só por covardia, por medo de magoar quem um dia demos vida, deveria ter a coragem de esquecer a outra parte de mim.
Uma vez parece que se ainda se consegue, é tão doce o abraço de um filho, sem duvida que é, só que embora importante não nos completa por inteiro.
Nos momentos de maior solidão, falta a mão que segura a tua, sem palavras, só um doce apertar que te diz estou aqui, não estás só, isso não tem dinheiro que pague, só que o abraço de um filho também não, ai vem a duvida terei direito a ir viver minha vida, e magoar os outros?
Fica aqui num cantinho da tua cabeça, e parece matraca insistente na pergunta, sem dares conta continuas dia após dia na mesma duvida, os dias deram lu…
Faz hoje exactamente 27 anos que te vi pela ultima vez.

Que ouvi a tua voz, ali na minha frente, recebi o ultimo abraço, o ultimo beijo, a vida pregou-me uma partida e tanto.
De vez em quando, contavas a historia do teu ajudante, historia que vindo de quem veio me deu verdadeiro ensinamentos, dizia ele (A vida é uma gaita, feliz daquele que a sabe tocar), acredita tal como outrora nunca aprendi a tocar, sempre deixei o coração ser meu guia, sempre...
27 anos, de saudade, busca, falta de tudo que recebia de ti, claro que não falo de sexo
Falo de cumplicidade, ternura, compreensão. Tudo isso acabou no dia que partiste.
Hoje sei que tu partiste, um dia haverá o reencontro, fiz teu luto, a vida seguiu em frente, com mais ou menos turbulência, os dias foram dando lugar a meses, anos.
Hoje sinto-me uma viva morta, viva como mãe, morta como mulher, esqueci que eu existia, esqueci que a vida ia continuar e nunca pensei, no que me dizias estar só e estar meio morto, hoje 27 anos d…