Pular para o conteúdo principal

O que eu vi

Ontem depois de um dia bem tranquilo, veio quase uma noite sem sono! de quando em vez lá calha.
Pois bem, andei  a cuscar rsrsrs, aqui e ali, e encontrei coisas  que quero dividir convosco.
 Vamos começar pelas boas, as que nos enchem os olhos e o coração, e ai encontrei uma vez mais " o espaço do Jõao" blog lindo onde, tudo que diz respeito à Natureza, tem um reflexo, que nos imunda a alma, mais deve parecer o paraiso, eu nunca lá estive, mas sempre ouvi que o Paraiso é lindo, e no espaço do Jõao... vão ver e me contem, gostava de saber se pensam como eu,ou se não tenho razão, nada mais facíl é só verem
Depois ...depois mais um encher de alma mas desta vez diferente .
Foi  dar ao cocô na fralda, e logo a seguir a Mais um no cozinha, ambos me falaram na História de uma SENHORA admirável, um exemplo que todos deveria-mos seguir, ou pelo menos ajudar.
A TIA PRETA com é carinhosamente tratada. Pessoa simples de coração puro, alma boa, que vive para ajudar as crianças de um bairro chamado de problemático, 
Numa casa humilde, sem grandes coisas porque grande ali é o coração, a boa vontade., e o amor que ela tem aos seus meninos.
 Meninos que se não fosse a Tia Preta, iriam passar grande tempo  nas ruas, sabe Deus a fazer o quê, assim vão para aquela casa, ai comem, estudam e as vezes dormem, ali encontram, um colo, um abrigo  um amor sem limites, mas também regras, educação, coisa rara hoje, verdade???
Mas para isto tudo só conta a tia preta, que por azar das crianças, é doente e precisa da ajuda de todos, TODOS mesmo,  mora em chelas, na Rua Ricardo Ornelas nª 375 R/chão direito, bairro da Flamenga Chelas    1950-331  Lisboa.
Espero não estar a cometer nenhuma inconfidência, pois o que aqui  repassei tirei do blog Mais um na Cozinha, porque me tocou, me fez chorar, como talvez o faça a si, vá até lá e veja com os seus próprios olhos, eu tenciono, ir a chelas muito brevemente.
 Se lá for não se esqueça de levar, um pouco do que puder, arroz, massa, feijão sei lá eu, o que puder, a D. Lisete Baessa, vai agradecer, e as crainças, também ,muitas de nós fazemos doces, compotas  talvez seja uma boa ideia, digo eu.
Um pouco aqui , outro ali, talvez se consiga ajudar e porque quem duvidar pode ir ver , falar com as pessoas, assim conhecendo ´, e indo directamente é mais fácil.
Quando for tenciono tirar uma fotos depois mostro, a mulher grande e linda de coração, que é a TIA PRETA. Ah! os meninos da Tia Preta são filhos das gentes do Bairro, que sem ela seriam talvez meninos de Rua.


Comentários

Chica disse…
Comovente relato essa da Tia preta.Que receba o carinho e ajuda!

Li nteu comentário e por aqui é minha mãe que está doente, mas é coisa de cidade e que cada dia se agrava mais.

Fica mais ausente de tudo, masi na dela, triste, escuridão...

Pena chegar á velhice assim...

Não gostaria de ver isso!mas...é a vida e o que podemos fazer ? Nos cuidar pra não deixar a vida escapar sem viver cada dia...

beijos,obrigado pelo carinho,chica
Andradarte disse…
É de facto...um acto muito raro nos nossos dias...tanta dedicação....Já
tinha visto à tempos uma reportagem na Tv...Mas...esqueci....,não é o que todos
fazemos????'Mea culpa
Beijo
Rosa Goncalves disse…
Olá adorei a leitura, mas acontece as suas letrinhas apresentam-se tão pequeninas que não as consigo as ver para ler, adorava ler tudo mas não dá, olhos não ajudam, amiga voltarei para as ler se poder ser, obrigada. jinhossss Rosa
José Gonçalves disse…
Olá Lu,

Aqui está uma tomada de posição que poderá beneficiar quem de facto precisa e fugir dos que à custa destes sobrevivem e enriquecem!

E não é preciso muito mais se todos, num regime de proximidade, puderem intervir na sua área.

Resolverão assim os casos mais urgentes e sem perdas de recursos e das energias ai depositadas.

E quem normalmente está "à frente" destas iniciativas, fá-lo em regime de voluntariado, o que por si só é digno de ser apadrinhado.

Chelas não é propriamente a minha área de residência mas tenciono passar por lá, por alturas do Natal, para poder também contribuir e comprovar a dimensão desta iniciativa.

Normalmente, nos grandes Centros Urbanos, encontramos os maiores sinais de Solidão, de Abandono e de Carência.

É um contra senso! Mas é a Verdade!!!

Um abraço e louvo a tua iniciativa.

Até sempre,

José Gonçalves
(Guimarães)
Fa menor disse…
Na blogosfera podem encontrar-se pedaços de vidas que servem de exemplos...

Bjins
Mariazita disse…
Vim agradecer a tua visita a um dos meus blogs, e conhecer o teu espaço.
Seguir-te-ei também, com prazer.
Gostei muito deste teu último post, e vê só a coincidência: conheço uma senhora que tem uma actuação semelhante à da Tia Preta.
Esta senhora que conheço e auxilio dentro do possível vive na Charneca da Caparica. Já descrevi a vida dela num post do meu blog "A CASA DA MARIQUINHAS". É reformada dum banco, e o que recebe utilisa-o para ajudar crianças desamparadas, que ela recolhe onde as encontra.
São pessoas assim que nos fazem ainda ter fé na humanidade, não é verdade?

Uma semana feliz. Beijinhos
Sil-vania disse…
Vejo que estás mais calma, fico feliz em saber disto.
Gosto muito de ler você.
És sensível e tens uma boa redação.
Beijos ternos em ti e no teu menino
JORDAS disse…
A bondade não tem cor!
Essa pessoa faz verdadeiros milagres.
Rosa Goncalves disse…
Olá querida amiga. venho agradecer sua visita fiquei feliz. obrigada jinhosssss Rosa

Postagens mais visitadas deste blog

Mãe , filha

Mãe!!!
O teu dia vem ai
embora todos os dias,
seja o dia, dos teus dias...
para acariciar, sorrir , amar...
teus bebes....
Neles te revês e cuidas,
desde o acordar ao dormir,
neles , entregas teu dia...
sorriso bonito, emoldura teu rosto
quando se olham nos olhos,
quando teu marido abraça,
beija e brinca com os pedacinhos dos dois
ali, bem a tua frente...
esta um pedacinho de gente.
que dá luz , dá alegria, da força
para vencer  o dia a dia...
Mãe!
Palavra mágica,
que faz vencer, nos dá coragem
são só três letras
juntas com outra que igual tem
apenas 3 , Pai,
Dupla perfeita que faz regaço
num longo abraço
e já são 4 amores eternos
são pais e filhos
no coração, Mãe,
mulher guerreira, tem dentro dela
força e coragem
para dar alento, aos 3 amores....
são sua vida,
 Mãe
também tu és a vida deles
no amor ternura, forte e profundo
do Dady , nos bebes,
mãe também és filha
que duas mães, amam e querem
Mãe obrigado por seres quem ês LR

era uma vez

Há imensas historias que começam era uma vez. Reais que retratam factos verídicos, outras nem tanto.
Esta historia poderia ser uma mistura de realidade e ficção, porque nem sempre é fácil reconhecer que erramos, vamos levando a vida a pensar mais nos outros que em nós. Não por ser boa ou má, só por covardia, por medo de magoar quem um dia demos vida, deveria ter a coragem de esquecer a outra parte de mim.
Uma vez parece que se ainda se consegue, é tão doce o abraço de um filho, sem duvida que é, só que embora importante não nos completa por inteiro.
Nos momentos de maior solidão, falta a mão que segura a tua, sem palavras, só um doce apertar que te diz estou aqui, não estás só, isso não tem dinheiro que pague, só que o abraço de um filho também não, ai vem a duvida terei direito a ir viver minha vida, e magoar os outros?
Fica aqui num cantinho da tua cabeça, e parece matraca insistente na pergunta, sem dares conta continuas dia após dia na mesma duvida, os dias deram lu…
Faz hoje exactamente 27 anos que te vi pela ultima vez.

Que ouvi a tua voz, ali na minha frente, recebi o ultimo abraço, o ultimo beijo, a vida pregou-me uma partida e tanto.
De vez em quando, contavas a historia do teu ajudante, historia que vindo de quem veio me deu verdadeiro ensinamentos, dizia ele (A vida é uma gaita, feliz daquele que a sabe tocar), acredita tal como outrora nunca aprendi a tocar, sempre deixei o coração ser meu guia, sempre...
27 anos, de saudade, busca, falta de tudo que recebia de ti, claro que não falo de sexo
Falo de cumplicidade, ternura, compreensão. Tudo isso acabou no dia que partiste.
Hoje sei que tu partiste, um dia haverá o reencontro, fiz teu luto, a vida seguiu em frente, com mais ou menos turbulência, os dias foram dando lugar a meses, anos.
Hoje sinto-me uma viva morta, viva como mãe, morta como mulher, esqueci que eu existia, esqueci que a vida ia continuar e nunca pensei, no que me dizias estar só e estar meio morto, hoje 27 anos d…