Seguidores

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Agora

Ontem depois de uma noite calma, o dia foi de chuva e vento forte.
Um vento como a muito o não ouvia por aqui, um vento que batia e chorava... como a dizer-nos dos estragos que causava em tanto lugar ao Norte.
A chuva, veio forte...fria... mas veio lembrar-nos que é o advento para a Primavera que ha-de surgir bem mais tarde, veio dizer-nos que nem sempre podemos tudo o que ambicionamos, e que para a vida  renascer, a chuva, tem de regar, lavar a alma da gente...como a plantar semente...que um dia  vai dar fruto.
Hoje com as mãos cheias de nada, do muito que tive um dia...tenho a doce lembrança...que a esperança me entregou, num pacote de sorriso...feito de cor bem azul...cor do céu e dos meus olhos... olhos que são como rios ..lavando as magoas que sinto...deixando depois mais leve meu amigo e companheiro, da jornada desta vida...Um pouco louco talvez, mas todos somos um pouco...na medida, do agora....porque o depois ninguém sabe e o agora é que vale, o passado já passou...não importa a que passou...o futuro a Deus pertence...vamos então no agora...encaminhar nos passos, firmes serenos, confiantes...pois por agora...é que importa.

2 comentários:

acácia rubra disse...

Agradeço a sua visita ao Rubraacácia.

O tempo acalmou de facto mas será que nós, cá dentro, temos também essa calmaria.

Ficaram-nos as lembranças que vamos dedelhando como contas de rosário...

É bom partilhá-as com gente da nossa terra distante.

Beijo

O tempo que passa disse...

Querida amiga!
Os seus textos mexem comigo. Num só estão mágoas e felicidade. Esta mescla fascina-me, emociona-me.
Não consigo identificar o lugar onde reside e que diz que choveu e fez forte vento. Aqui onde moro (seixal), não dei por isso.
Escrevi um novo texto com o pensamento em si como minha leitora, os seus comentários me alimentam.

Um beijo