Seguidores

quarta-feira, 31 de março de 2010

Saber escrever

Queria saber escrever, escrever faz-me sonhar,faz-me viver.
Escrever cria a imaginação.
Faz-me viajar no sonho, pelo sonho, transporta-me para um mundo só meu,
que um dia foi nosso, aqui nesta casa
tão desejada e sonhada, por ti mãe, eu queria
poder arranja-la exactamente como tu querias
vamos ver , se terei essa sensiblidade, e esse saber
esta apesar da tua partida e do pai
enquanto eu viver será sempre a nossa casa.

Nunca deixem morrer o vosso sorriso

Tudo é vago... nada tem valia basta apenas um dia para que a vida, 
te tire do sério.
Revoltas-te, e lutas, mas nada se altera
a vida é assim;
tens um caminho que tens de seguir,
olhas ao redor, mas nada se acalma, para não gritares
ficas calado, consegues sorrir, e todos confundem, 
pensam que estas bem.
Quando no teu eu o mundo se agita, todo tu gritas
sem nada dizeres.
Sorri... aprende a sorrir, comanda teu eu,fecha os punhos, serra os dentes...
mas... sorri o resto que importa a vida não pará, tens de ter força para seguir em frente
se quiseres ser gente

Não o faço por ser forte

O dia está em declínio, algo em mim esta a mudar.
o quê? não sei; mas sinto!..
sinto meu corpo gelado, do frio que tenho na alma, do querer sem saber se consigo, aquilo que quero, la dentro bem no fundo do meu eu, um segreda vai em frente tu consegues,
o outro que sou tonta.
Mas la dentro , bem dentro de mim mesma há uma luzinha pequenina, que me diz, caminha, procura o teu caminho, não podes parar.
Parar?! Só para morrer, lutar é para vencer, e dar aqueles que amo,o exemplo como herança.
Que por mais doa a vida, tem de se manter a esperança, a fé em Deus nosso pai, que nos ama
sem sabermos, e nos guia sem nós vermos.
Faça eu o que fizer não o faço por ser forte,faço-o sim eu bem o sei, pelo Cristo que na morte, me deu vida para viver, coragem para seguir
caindo andando e sorrindo, sem revolta vou seguindo

Olhar o campo

É bom olhar em redor, eu acho tão giro, ver a erva crecer
um fruto amadurecer, é tão engraçado chegar a um pomar ,
na árvore apanhar um fruto e comer.
Olhar pelos campos, ver as papoilas no verde dos trigais
qual tapete feito, por sábia mágia, passam os dias:
O verde de outrora aparece agora de um louro encantado.
Fico enternacida ao olhar os passaros,ouvi-los cantar doce sinfonia,
Sinto uma alegria e tudo se acalma por doce mágia.

SE...

Se pudesse a gente, dizer o que sente
a vida seria algo bem diferente.
Se pudesse a gente, soltar as amarras, que parecem garras.
Se pudesse-mos nós dizer o que sente bem dentro de nós, que nos faz mentir, obriga a fingir.
Se pudessemos dizer o que vai no fundo da alma
mas há que calar para não estragar, para não sofrer.
Calar, ou dizer, o quanto na alma o mar se agita,
duvidas, angustias, sem poder dizer sem nada saber.
Oh! vida danada tu não vales nada.
Se a gente pudesse viver...sem nada dizer.

Parar

Que seja apenas um verbo, mas só isso e nada mais,
apesar das evidências, eu me nego a conjugar.
Parar , palavra louca, sinonimo de confusão.
Para mim, parar é morte, morte viva pouco a pouco,
Eu quero andar, ir em frente, sentir-me gente,
Mas gente que luta e sente, na vez de desanimo , a fé ,
em vez de dor , o prazer de saber que conseguiu
lutar por aquilo que quero.
Razão de meu viver.

segunda-feira, 29 de março de 2010

O meu caçulinha

O meu caçulinha, menino de oiro, tu ês para todos o nosso menino.
E o mesmo frio que sinto na alma, eu sinto por ti
ao ver o teu quarto ali tão vazio, as vazes a gente parece-mos tão fortes, mas vem o vento, que sopra mais forte, tal vento do norte, parcemos castelo de cartas, que o venta arrebata.
E tudo se espalha, à que juntar todas uma a uma, começar de novo, como se a vida, em vez de ter vento, o tal vento do norte;
nos fizesse forte qual dia de sol que tudo irradia, vou esperar que o dia 
que nasce amanhã , seja de um sol respledoroso, que ilumime as vossas vidas elas sejam sempre, aquilo que mais desejem.

Os nossos filhos

Ás vezes a gente que pensa que é forte, mas lá vem o vento,
o vento do norte, que sopra mais forte, tão forte , e tão frio
que faz arrepio, e fico parada, não,não digo nada, pois que as palavras,por mais que quisse-se não saem de mim.
E escrevo-te aqui, são tais sensações que não sei ao certo se doí, faz doer, ou se dá prazer.
Ver-vos assim tão grandes, eram tão pequeninos tão doces, tão frageis, que eu tinha medo de poder partir-vos quando vos mudava, e os dava beijos.
Agora ao olhar, ver-vos homens ,parece-me um sonho, um sonho risonho, e ao mesmo tempo, risonho e medonho, tenho tanto medo que possam sofrer.
A vida tem coisas.
É como se um frio me entrasse na alma.

domingo, 28 de março de 2010

O nosso tempo

O tempo passa todos nós passamos, nesta vida curta.
Passmos, e olhamos sem saber olhar, 
olhamos sem, ver o curto caminho que há a percorrer.
Vamos passando talvez indiferentes no nosso viver;
sem nos dar-mos conta chegamos ao fim.
Olha-se ao redor, sem compreender, para quê tanta luta, tanto sofrer.
A vida acabou e e tudo ficou no mesmo lugar.
Nós partimos.
Para quê tanta guerra?! para quê matar?!
Se a vida é tão curta, nada tem valor, só a dor restou,tudo abalou, já nada compensa
quando a gente pensa, que o tempo passou , e nada restou.

sábado, 27 de março de 2010

Sonhar


Sonhar é deixar o teu ser,  de menina errante
do sonho distante.
Voar com um passaro alegre, feliz,
ao cruzar o espaço.
Ser águia liberta saboreando os ares no seu voo planado,só essa visão nos dá liberdade ou então quem sabe:
deixares-te levar pelo rolhar do mar, imaginares o horizonte, nos seus tons laranja   é tudo tão belo.
Sonhar é deixar o mundo rolar tentando aprender:
que o sonho é vida , é para viver
sem dores, nem rancores
pois que o amanhã, quem sabe?!
já aqui esta.

Estar Só

Estar só , comigo mesma é deitar para fora
o que a alma sente e boca cala.
Olhar uma flor, fechar os olhos, rever o passado
os dias felizes, sem ter consciência
passaram-me ao lado, e nem dei por eles.
Eu queria vive-los de novo outra vez, ter-te aqui comigo;
ter a tua mão, teu ombro amigo, dividir contigo, 
cada segundo do meu tempo olhar os teus olhos
e em cada olhar, sentir-me protegida, amparada. 
O mundo desabou, quando tu partis-te tento erguer-me.
Pesa-me me demais a solidão,o desamor.
Este vazio que doí, esta angustia esta impotencia:
dou um passo em frente ,dois atráz que bons foram os ano que contigo vivi. 
Minha vida é um barco a naufragar em busca
de um porto de abrigo, tu és o pensamemto mais marcante que povoua meu ser.
que me faz chorrar ou sorrir a cada instante.

sexta-feira, 26 de março de 2010

Mancha a nossa cadela

É ou era já não sei, uma cadela linda
o sonho da criançada, talvez inspiradas
nos 101 dalmatas, a mancha é uma cadela
mas valia por 100, ontem ao acorda ela já não estava.
Procuramos por todos os lados nas redondezas
 todos estamos á espera dela  mas ela...não veio.
Será assim tão normal levarem os animais dos outros?!
ela era a nossa cadela, e a minha companheira de 12 anos.
Era a minha mancha e dos meus filhos.
É mancha porque tem uma mancha pouco comun na base duma orelha

quarta-feira, 24 de março de 2010

Divagando

 Hoje voltei a sentir a necessidade de falar calada, de falar "contigo"amigo silencios que me escuta, sem criticas nem enfados, tantas horas
boas e más, tanto faz, em que tudo, te disse te contei horas vividas entre dois mundos
tão frageis mas tão intensos, o meu eu que todos veem, todos falam, e o outro que nem  eu conheço bem.
Mas sei que ele e eu falamos sempre jogando com as palavras, que não procuro são as que saiem
e me tranquilizam, e me dão maturidade, para poder sorrir e calar, e também saber confiar, amanha talvez porque também eu gosto de olhar as flores dos campos, ouvir os passaros cantar,
e me sentir pequemina e ao mesmo tempo feliz, a vida não me deu nada, mas deu-me tudo
"empresta-me" e eu agradeço a Deus por tudo isso.

terça-feira, 23 de março de 2010

Tempo

Sou um barco a deriva sem ter porto, num mar de emoções .
Tu ês o timoneiro sem o sabermos ando ao sabor dos bentos e marés confundo-me e já não sei qual o meu norte,mas sei. Que me perco na noite dos teus olhos me encontro nas ondas dos teus braços.
Tento equilibra-me sem cair. 
Perturba-me as amarras do sentir tentando encontrar o meu lugar, no teu sorriso.
O mar de ternura que eu preciso.

ser Feliz

Quem puderá dizer que o é?
È tudo tão vago, tudo tão vazio, que a alma chorra.
Poderia dizer que sou feliz?!
Não , não se é feliz quando a alma grita e a solidão doí,
Não, não quando a tristeza machuca no peito, olhas ao redor procurando abrigo
procurando alento, e é só solidão.
Não, não se é feliz quando olhamos, e temos uma garra, um nó na garganta,
nem um sorriso no rosto, nem um soluço do peito te saí.
Não não se é feliz quando te sentes só mas só de verdade mesmo no meio da multidaõ.
Fico calada de olhos vazios, sorriso nos labios, mesmo que o peito se rasgue de dor.
escrito em 1991

segunda-feira, 22 de março de 2010

aqui

Na minha aldeia, onde os dias correm calmos, e onde o sol tem mais encanto, o dia nasce sereno como é linda a minha aldeia ao nascer de um novo dia.
Parece saida de um conto de fadas.
Mas os que aqui vivem também, teem seu fadario talvez não vejam o que vos mostro aqui.
Digam é linda, não é?!

O nascer do dia

O nascer do dia aqui na minha terra, me fascina pois que ele além e lindo, é o renovar da esperança é o recordar-nos que a vida recomeça a cada dia.

sábado, 20 de março de 2010

A primavera, chegou e com ela a beleza dos nossos campos, nesta singela imagem, que a vida nos oferece.
Neste verde, cor da esperança e no branco que é a paz .
Venho desejar a todos, neste novo ciclo que a vida dá, ele seja para todo o mundo o rebentar da fé.
O concretizar dos sonho a Primavera é renovação, pois que ela seja também a renovação da vida de todos nós.

O Sol da minha vida

Não há nada neste mundo, mais bonito podem ver que o sorriso, duma criança.
Ela é a nossa esperança, no Mundo ha-de vir ela é a ,melhor prenda que um dia a vida me deu .
Neste sorriso tão terno venho retemperar as forças na luta do dia a dia minha Nana muito querida.
Eu te amo neta querida.

Recordando

Da janela de onde vivo, tem ao longe uma paisagem que me toca o coração.
Um tamerino amoroso com sua acopa redonda, que me recorda o mucoso.
 Terra de tantas lembranças, e outras tantas saudades.
Um telhado com duas janelas, que me leva a Trás-os-Montes em Campo de Jalles,quem me dera nesse tempo.
3 chaminés em redondo que me levam á minha infancia quando era ainda menina, e detrás da minha casa abundavam tais chaminés Cerâmica Lusitania 
. Tudo isto misturado, são os meus mundos distantes recordados no presente.
 

È primavera

A Mãe Natureza começa a vestir, seu fato de festa.
 Os campos cobertos de verde, salpicados de flores onde predomina, o branco e amarelo. Parecem tapetes feitos que mãos sabeis, bordaram para a vida.
 As árvores cobrem-se folhas e flores; Hoje começa a primavera, a dar-nos neste ar de festa o renovar da Natureza; É o renovar da vida, e nós simples mortais, perante toda beleza ficamos mudos a ver que a vida tem seus reveses, mas nos dá muita coisa lindas boa por vezes esta tão perto e não a vimos.

sexta-feira, 19 de março de 2010

Amar


Dizer sem falar para ninguém me ouvir.
Escrever, é o que gosto de fazer , com pouco geito mas é o geito de comunicar calada.
É deixar o pensamento divagar, debaixo dos dedos é o ser eu sem carapaça, ou disfarçes.
Sou e sinto assim, aqui encontrei o equilibrio para ser eu, neste nosso mundinho poucas pessoas sabem ouvir, ou ouvir-nos, aqui eu fico calada, mas "falo" digo o que talvez pensas e não dizes .
  É pena que hoje andemos todos fechados, e tenham medo de falar;    dizer o que lhes vai na alma.
Sem receio de dizer amo-te, a quem amarem e perdoarem para serem perdoados pois todos nós erramos sem exepção ,amar e ser amado é o melhor do mundo.

quinta-feira, 18 de março de 2010

um dia de sol

O dia esta quente num sol que irradia, e nos faz sorri, nos anima e aquece a alma.
Apetece andar, por estes campos adiante, e ver coisas lindas, a natureza coloco-as á nossa volta, e o mundo parece um pouco mais feliz.
 As àrvores cumprem o seu ritual, se enchem de folhas de flores e frutos, as flores de todas as cores, dão um tom alegre a vida da terra.
Pena é que haja tanta guerra, pelo mundo adiante haja tanta fome e gente sem casa.

quarta-feira, 17 de março de 2010

olhar sem ver

Olhar o mundo para ver, tento sem o conseguir,meu coração não dá treguas a um sentir sem sentido
. Neste brincar com as palavras neste dizer sem contar é facíl de adivinhar o que digo sem falar.
Minha "pena"vai "dizendo" escrevendo para não se ouvir o que vai dentro de mim, é um esvaziar de alma, libertando esta opressão que vai dentro do meu peito,olhando dentro de mim, sem emoção, com verdade, como eu queria saber passar ao papel tudo o que me vai na alma.

Ferias

Escrever é abrir-me ao vento, fresquinho sereno mum dia quente de verão, onde retempero as forças, onde encontro a ilusão.
Escrever´é ter um amigo, sempre alerta e disponivel, para me "ouvir" e onde encontro alento quer a chorrar ou sorrir; sem .ninguém, adivinhe a luta que me debato.
Escrever é falar calada, é ser eu, e o meu sentir, queria eu saber dizer , num livro feito de sonhos,retrato do meu viver, sozinha dentro de mim Paginas que seriam dias.passados dentro de mim.

segunda-feira, 15 de março de 2010

Desafio


Mais um desafio, que a vida me lança, mais uma luta,na luta do dia a dia. Quanta gente esbanjando, mundo a diante dinheiro a rodo, e tanta gente onde muitas vezes nem há para o simples pão. Será que é justo?!
Porque será que tem de ser assim?! 
O desemprego esta abrir feridas muito difíceis de sarar na sociedade em que vivemos, não só pela falta de trabalho, de vencimento, mas por tudo que isso implica,humilhação, desespero,fome e traumas. 
Talvez para o resto da vida; impotência perante a situação. Como eu gostava de ter poderes para acabar com tudo isto.
Ajudar o mundo inteiro a ter as coisas básicas do dia a dia.

sábado, 13 de março de 2010

Tempo

O tempo passa todos nós passamos nesta vida curta,passamos e olhamos sem saber olhar olhamos sem ver, o curto camimho que há a percorrer, Vamos passando talvez indiferentes ao nosso viver, sem no dar-mos conta chegamos ao fim.
Olha-se ao redor, sem compreender,para quê tanta luta, tanto sofrer, a vida acabou e tudo ficou no mesmo lugar , nós partimos para quê tanta guerra para quê matar se a vida é tão curta nada tem valor.
Só a dor restou, tudo abalou já nada compensa, quando a gente pensa quevnada restou

Paz

O dia que passa sem saber, as duvidas que povoam o meu ser, é o querer chegar, a um lugar, sem ter sequer forças para vencer, vencer, é a palavra chave, que fecha ou abre o meu sentir. Vencer o quê?! a quem?! isso que importa. O que faz realmente sentido é o vencer: vencer as teias que me envolvem. vencer,os medos que me assustam, vencer, o tempo e a mim mesma, vencer ou vencer-me é tudo um tempo, dum verbo que tento aprender a conjugar.

Velho

Ser velho não e estar louco, nem querer ser intrometido. É sim ter outra visão, que a vida não é em vão que nos vai dando pancada. É amar com mais valia, é tentar não assustar... quando se morre de medo. Mostrar-nos fortes para que os outros, não sonhem o quanto a tua alma grita, e o corpo te doí na solidão de estar só, mesmo no meio da multidão, é tentar estender a mão, como que a pedir carinho, de quem se gosta se ama. E porque se é velho. Ser velho é trapo ,é lixo. Mas também foram jovens um dia, tiveram esperanças., com o passar dos dia tudo mudou, nesta roda que é a vida tudo passa, e para pior. Sò fica este vazio,esta angustia, esta saudade, do que fomos; este medo, esta incerteza, do que seremos. Não vos censuro acreditem, para mim, Velho é ternura, é experiencia, dos muitos anos vividos.

sexta-feira, 12 de março de 2010

Escrever

È abrir-me ao vento fresquinho sereno, 
calmo, num dia quente de verão, 
onde retentempero as forças,
 onde encontro a ilusão.
Escrever é ter um amigo 
sempre atento e disponivel, 
pronto a me dar alento.
 Sorrir ou chorrar sem que ninguém adivinhe
 a luta do dia a dia.
 Escrever é falar calada.
 É ser eu sem o sentir 
queria saber eu dizer num livro feito de sonhos
 de um viver...sozinha dentro de mim.LR

quinta-feira, 11 de março de 2010

olhar sem ver

Olhar o mundo para ver
,tento sem o conseguir,
meu coração não dá tréguas,
 a um sentir sem sentido. 
Neste brincar com as palavras, 
neste dizer sem contar, 
é fácil de adivinhar, 
o que digo sem falar, 
minha "pena" vai "dizendo"
escrevendo para ninguém ouvir
o que vai dentro de mim.
É um esvasiar de alma, 
libertando esta opressão 
que vai dentro do meu peito, 
esqueço o que estou fazendo
olhando dentro de mim 
sem emoçao, 
com verdade...
como eu queria ..
saber passar ao papel tudo o que me vai na alma.LR

quarta-feira, 10 de março de 2010

Paz

Paz palavra curta, mas tão bonita Paz traz alegria, doce magia e junto a ela faz união a liberdade que traz consigo a felicidade, não só dum povo duma Nação pois juntos são famílias, sem cor ou raça Paz doce alegria que faz sorrir uma criança, esperança dum mundo de todos nós viva o amor, viva a coragem de todas as raças viva a alegria

terça-feira, 9 de março de 2010

Vento

Queria ser forte feito o vento do Norte, queria ser gente e me sinto trapo, eu tento viver e apenas vegeto. Quero aprender a olhar a vida, o Mundo; olho e não vejo as cores do passado, Esta tudo calado, as pessoas passam  de olhares vazios, rostos sombrios, com se uma nuvem, tolda-se o seu sol. Os passaros já não cantam sua sinfonia de rara beleza,e até as crianças, outrora a esperança, o futuro, de um mundo melhor, já não as vemos mais como a força motriz que move um Páis,o medo a incerteza veio substituir toda a beleza, mas eu sou teimosae nego-me a crer que tudo é assim.

segunda-feira, 8 de março de 2010

Sabes

Calar é grita, sem nada dizer fazer da voz um portão dos sons. 
Apenas silêncios, enquamto o teu ser se agita num mar de gente e silêncios, é olhar p'ro teu vazio, só querer por conpamhia, tua amiga solidão .
Dor que te faz tremer, sem dizer tudo o que sentes, mas sorries na tua mascara, todos pensam que ês feliz enquanto chorras te agitas, silências tua dor, brincas contigo e comigo de olhos secos, sem lagrimas se todos pudessem ver o que tem teu coração veriamos com ele chorra e com que angustia se agita'LR

sexta-feira, 5 de março de 2010

Sou

Sou um barco á deriva sem ter porto, pois quero aportar neste porto tranquilo...mas o meu "eu" agita-se, o meu ser estremesse, num balanço de duvidas, entre o certo e o errado.
Sei que nada é meu, tudo o que tenho me foi emprestado pela vida. 
Não tenho apego a nada. È o não conseguir compreender qual o caminho a seguir que rumo dar á mina vida, se falo ou se me calo... quero e preciso de me sentir eu, não consigo entender quem sou... 
quero ser...seja o que for mas ser. 
E só sei que não sou quem sou.LR

Palavras soltas

De mim para ti, que não sei quem és, mas penso que sejas tal como eu um átomo de vida que neste Mundo louco. Tentamos viver sem compreender, o que deu no Mundo, na mãe Natureza que tudo devasta parece zangada,quem sabe talvez... com razão. A razão que lhe dá pessoas como nós, todos em geral, levaram-se anos sempre a destruila em nome do progresso, só espero que ainda, tenha retrocesso, toda esta escalada, para que os bebés que nada fizeram possam ainda ter,um mundo belo como aquele tive, havia flores de todas as cores embora se lutasse com carências, hoje eu vejo que as faltas de outrora eram benesses, para se viver agora,todos cultivavam todos tinham pão, dizia-se pouco mas muitos agora não fosse a bondade de outros nem isso teriam, e o pior e tudo, tal como eu não sabem ao certo como hão-de faze-lo, vamos todos juntos darmos nossas mãos e tentar um pouco dar a Natureza o seu espaço certo, recolher o lixo,cuidar das arvores, cultivar a horta e talvez quem sabe melhorar um pouco o mundo em que vivemos.LR

quinta-feira, 4 de março de 2010

Sonhei !...,

Sonhei, era viajante num pais distante, andava, olhava e sorria ao ver que tudo era calmo feliz transparente, não havia doentes, nem ninguém sozinho. Eu era a única que andava sozinha; eu era a única... que assim andava, era ruas imensas com arvores frondosas e flores as montes, de todas as cores, e todos sorriam, com a dar-me alento,e era feliz com pouco afinal. Tu estavas ali vestido de branco, parecias um santo um ser irreal, estendias-me as mãos com um sorriso terno,e a sinfonia que os pardais faziam, por vezes pareci a que era o Mucoso, e ao acordar costeie a entender que foi tudo um sonho... era uma útupia mas eu não sabia .LR

Mando zé


Se a vida fosse uma bola feita, de sonhos, de cores, eu acho que ela teria de ser como uma utopia de te ter aqui connosco Ora travesso rabino,ora alegre e brincalhão,mas sempre com o coração do tamanho dum gigante desses dos contos de fadas do tempo da meninice, que vinham salvar as gentes. Tu és um pouco a alegria de uma caixinha de musica, suave, alegre, festiva,que embala os nossos sonhos nos aquece o coração, fazendo sonhar eu própria com um pouco do teu querer, do teu saber de mestre,em dar conforto alegria só com um gesto, um olhar és o meu filho querido meu companheiro de infortúnio, mas és a cima de tudo um filho a quem muito quero.LR

escrever

  1. Escrever é dizer,o o que a boca, e o coração grita.
  2. escrever é dizer sem ninguem ouvir todo meu sentir.
  3. Pode ser loucura talvez devaneios, mas é pela certa um pouco de mim que escondo de ti, não é por orgulho nem tão pouco dor, é pela certeza de não entenderem,e por isso pensarem que sou mãe galinha, talvez... seja um pouco, já levei lambada por demais da vida, tirou-me minha mãe, marido, filha ,sogros, pai e filha, sem querer falar do resto que falta, e quase levou o meu primogenito.
  4. Estou talvez marcada por muito vos querer será que é tão dificíl vocês me entenderem.?!

De mim para ti

De mim para ti que não sei quem ês nem onde estás, mas quem sabe possas sentir o mesmo que eu
. Este mundo de incertezas, este querer sem nada querer,esta vontade de dizer, estando calada.
Aqui fechada neste mundo que é o meu, e talvez também o teu. Estejas onde estiveres, vou começar a partilhar contigo o meu mundo,buscando conhecer o teu sem outro querer que não sejá podermos mostrar a alguém, que vale a pena dividir partilhar e tentar encontrar nosso lugar neste mundo que é o nosso mundo.

Eu


Sinto-me triste perdida,sou como a ave ferida que ao voar, a bala traiçoeira fez parar.
É dia ,mas... é a noite que me acompanha no viver
. Sorriu e engolo o pranto que faz chorrar meu coraçao, quero ser forte, mas sou tão fragil e indefesa, luto, tentando encontrar o equilebrio; a força para vencer
Fico sem compreender, sinto-me triste perdida, e neste perder sem encontrar fico calada ,mergulho ao fundo e mim mesma

sento seguir em frente sem falar, tentando encontrar o meu lugar.

apresentação

olá eu sou a armalu, estou em Portugal.